fb_img_1483130199533

Esse post tem o intuito de desejar saúde, paz, realizações e muito, muito amor para você!
Feliz 2017!

Advertisements

TOP3: Documentários para inspirar!

Já faz um bom tempo que eu queria voltar a escrever aqui, e escrever justamente esse post: uma lista com 3 documentários que me inspiram! Sempre que eu assisto um deles, crio uma grande reflexão sobre como viver a vida, sobre o que é felicidade, e sobre o amor em sua forma mais simples e genuína! Espero que você goste, e se assistir algum, volte parar contar o que achou, tá?

Happy: Já perdi as contas de quantas vezes eu já vi esse doc, e em todas fiquei emocionada! Happy faz questão de nos lembrar que a felicidade não está nem um pouco ligada a dinheiro, status social ou qualquer coisa do tipo. Pelo contrário, a felicidade genuína está totalmente ligada ao amor que você tem por você e pelo próximo!

I AM: Já ouviu falar de Tom Shadyac? Ele foi o diretor de vários filmes, incluindo os clássicos como Ace Ventura e Professor Aloprado. O que aconteceu foi que depois de sofrer um acidente, e ficar entre a vida e a morte, ele passou a procurar respostas para perguntas relacionadas a vida, ao mundo, aos valores que carregamos conosco, e o resultado dessa busca rendeu messe documentário sensacional!

EuSouL:“É uma websérie que conta o PORQUÊ das pessoas FAZEREM o que SÃO.” O que eu tenho a dizer é: são vários vídeos transbordando amor, gratidão, inspiração. (Aqui você encontra a lista com todos os vídeos)

p.s: Happy e I Am estão no Netflix, e EuSoul no youtube!

Abraço, Natália.

Retrospectiva 2014!

Quanto tempo! Acho que uma das minhas maiores resoluções de 2015 é retornar a coisas que comecei, mas não terminei e coisas que sempre quis fazer, mas por preguiça/falta de tempo/comodismo deixei de fazer. E uma delas é voltar com o blog e criar um vlog! Então, cá estou!

Se você voltar alguns posts, vai ver que eu fiz uma retrospectiva de 2012, foi uma listinha bem simples com os favoritos do ano, então pensei que seria uma boa ideia fazer novamente, dessa vez com os tops de 2014 e compartilhar com vocês! Meio atrasado, eu sei, mas lá vai!

livros
Livros favoritos:
1984 e A Revolução dos Bichos – George Orwell

Preciso rodar o mundo – Michelli Provensi
Tenho muita vontade de ter um vlog e compartilhar mais  no blog sobre minhas experiências por aí, e se tem uma cosa que eu amo é ler e acompanhar pessoas que fazem isso. E é exatamente isso que a Michi, como é conhecida, faz! Ela já morou em 10 países e dividiu a casa com 120 modelos! Eu aposto como vocês também vão amar os relatos de uma vida nada comum no nosso cotiano, contados de forma simples e super cativante.

On the Road – Jack Kerouac
Uma das minhas certezas literárias em 2015 é que quero ler mais livros do Jack Kerouac, já estão na minha lista: Na natureza Selvagem e Viajante Solitário.
O livro é narrado por Sal Paradise, que está tentando terminar de escrever seu livro. Nesse processo ele conhece Dean, um cara apaixonado por jazz e literatura e que inspira Sal a cruzar o país, pegando caronas, se apaixonando, arrumando trabalhos temporários e buscando diversão. Já aviso que é impossível terminar de ler e não querer pegar sua mochila e cair na estrada!

A Elite, A Seleção, A Escolha – Kiera Crass
Eu estava querendo ler um romance, bem água com açúcar mesmo, mas sempre que começava a ler um, ficava desanimada. Acho que ando bem sem paciência pra mimimi, mas com os livros da Kiera não, eu amei! O livro é uma distopia bem diferente das que já li, conta a história de America Singer, uma garota humilde que acaba participando de um concurso com mais 34 garotas para disputar o coração do príncipe Maxon.
Além disso, a autora lançou mais um livro com dois contos, Aspen e Maxon, dois personagens super importantes, dão suas versões sobre a história, e já foi confirmado, mais dois livros para 2015.

 

Dia Especial Tiago Iorc
Músicas favoritas:
Um dia especial – OBRIGADA TIAGO IORC POR TER FECHADO O ANO COM ESSE CLIPE MARAVILHOSO! (pra quem ainda não viu, aqui o link.)

Acontecimentos favoritos:
Engraçado, meus acontecimentos favoritos de 2014 foram basicamente os mesmos de 2012, entrei em outra faculdade, e dessa vez tô gostando, mudei de cidade de novo, e fiz algumas viagens que me marcaram.

Metas para 2015:
Autêntica – Nesse ano eu quero descobrir mais de mim e quero ser fiel a quem eu realmente sou, quero mudar coisas que eu não gosto, e parar de ser o que não sou, ou de fazer o que eu não quero para agradar os outros!
Viajar mais!
Mais offline – Tô voltando com o blog e pretendo criar um vlog, sei que isso consome mais tempo na internet, mas eu quero desapegar do facebook e afins nos momentos certos. Comecei separando um dia para descanso total, sem facebook, sem checar instagram e sem twittar nada!
Falar menos, e agir mais. – Chega de tanto comodismo e falta de foco, tudo o que eu me propor começar, se ainda continuar a fazer sentido pra mim, eu irei até o fim!
Acabar de vez minha tolerância para imbecilidades alheias por medo de ficar só. – Coloquei essa meta na retrospectiva passada, mas infelizmente não fui muito bem. Espero mudar!

 

Então é isso, um 2015 cheio de luz para nós!

é bom olhar para trás e admirar a vida que soubemos fazer

Já dizia Nando Reis: ‘ é bom olhar para trás e admirar a vida que soubemos fazer’… E sim, estou falando de 2012, que foi um dos anos mais frustrantes que eu já tive, mas por ser frustrante, eu aprendi bastante, e isso fez com que ele, além de frustrante, fosse um dos melhores anos da minha vida!

E é estranho, diga-se de passagem, porque esse foi o único ano que essa ansiedade para o aniversário-natal e ano novo não foi à mesma. Ainda fiquei um pouco brega com esses ‘ar-de-coisa-nova’, mas isso só aconteceu quando me obriguei a parar pra pensar o assunto ou lia algo nas redes sociais falando a respeito. A virada de ano foi como um dia qualquer, o natal também foi o exemplo disso, já nos dias vintes, eu fui me lembrar de que não havia visto a decoração do comércio da cidade, mas como se eu havia passado por lá algumas vezes? A correria foi tanta, que nem prestei atenção! Nem na decoração, e nem que as datas festivas já estavam tão próximas!

Mas isso de forma nenhuma significa que eu estou deprê, só que estou cheia da certeza de que posso realizar meus sonhos, que minhas esperanças têm sido renovadas todos os dias. Não sei se isso é ‘tão bom’ ou ‘ruinzinho’, adoro está mais confiante de que eu posso sim fazer algo esplendoroso em uma segunda-qualquer-que-não-seja-dia-01-de-janeiro, e também não sei se aquele cima natalino e de ‘coisa-nova’ realmente me fazem falta, apenas lembro com uma certa nostalgia lá no fundo.

E com isso, bem atrasada, eu sei, vou fazer uma retrospectiva com os melhores de 2012:

2 livros:
A culpa é das estrelas – John Green
As vantagens de ser invisível – Stephen Chbosky

2 filmes:
Tomates verdes fritos.
As vantagens de ser invisível.

3 Músicas mais escutadas:
Quando eu te encontrar – Biquini Cavadão
Could it be another change – The Samples

3 Acontecimentos:
Ter passado quase 3 meses em Gramado.
Ter entrado na faculdade.
Ter saído da casa dos meus pais.

3 metas:
Viajar bastante.
Conseguir um emprego.
Acabar de vez minha tolerância para imbecilidades alheias por medo de ficar só.

Minhas verdades amadoras

Esse não é o meu primeiro blog, muito menos o segundo, tampouco o terceiro, deve ser o décimo ou algo assim, dos que me surgem de uma noite de insônia, e onde minha mente não conhece outro alívio que não seja escrevendo.

Eu que sempre achei um absurdo quando as pessoas me falam que devo me focar apenas em um assunto, vivo acrescentando coisas novas nesse self service da vida: design, pscicologia, música, moda, fotografia, desenho, culinária, decoração, viagens, idiomas, sustentabilidade, jornalismo, cinema, administração, teologia… É que eu quero conhecer de tudo um pouco, sabe?

Mas isso nem sempre é um mar de rosas, é preciso matar todo dia um bichinho que parece totalmente dominável, só que não: a comodidade, que já me fez perder oportunidades maravilhosas. Outra coisa que costumava me paralisar, é essa ilusão de que não haverá nada de novo só porque estou nessa bolha de família, amigos e situações rotineiras, na minha zona de conforto, e que não há como crescer sem estar exposta um mundo completamente novo, quando na verdade eu posso mudar o sofá de lugar, e pedir um prato nunca experimentado pro jantar, e assim quem sabe absorver algo novo.

E é isso que eu tenho tentado fazer: viver, sugando todas as experiências que essa vida propõe. E posso até não realizar tudo, não tem problema,pois eu tô aprendendo a valorizar mais o consumo em si e o aprendizado obtido que a oportunidade.